Resumo Mekong
O asiático faz um ano com menu festivo. Da Índia, vem o jhinga samosa (pastéis com camarões, leite de coco, especiarias e chutney, R$ 18,90). Da Tailândia, o neuua phat (iscas de mignon com brócolis, gengibre e pimenta dedo-de-moça, servidas com arroz jasmim, R$ 29,70). Capitaneado por um casal formado por uma produtora brasileira e um músico e DJ inglês, o Mekong serve comidinhas asiáticas em pratos popularmente encontrados nos pubs londrinos. Quem batiza o restaurante é um dos maiores rios do mundo, que nasce no Tibete e cruza diversos países do sudeste asiático, onde é comum a venda de alimentos e temperos nos mercados flutuantes. Alguns deles estão representados no cardápio, que serve iguarias da Tailândia, Vietnã, Malásia, China e Índia. Entre as atrações estão belisquetes inspirados nos mercados de rua asiáticos e os característicos temperos picantes. A casa destaca ainda o bar, que tem uma carta de drinques preparados à base de uma infusão que mistura rum oro, saquê e ervas aromáticas: é a versão brasileira para a aguardente tailandesa feita de melaço e arroz.
Mekong