Criticando Montagus Sanduicheria
Jamais pensei em convidar o bom e velho Dudu para um bar/sanduicheria diante da Praça Serzedelo Correia. Menos ainda num domingo chuvoso. Pior: na hora do fim da feira (literalmente). Quis o destino, porém, que estivéssemos em Copa naquele domingo e que a fome apertasse diante do Montagu's Sanduicheria. Dudu, agora mundialmente famoso graças a suas aparições nesta humilde coluna, foi logo soltando uma frase de efeito, para posterior publicação: - É apertado. - Eduardo, poupe-se: não vou publicar isso. E não é apertado, é cozy. - A música está alta. Não vamos conseguir conversar! Tive que dar o braço a torcer e pedi ao garçom para abaixar o volume. Ato contínuo, exaltei a simpatia do bar decorado com graça e louvei a inciativa de se abrir um cantinho charmoso numa região fora do circuito branché. - Bran o quê? Não vai dar certo. - Já deu. A casa abriu em março. Fizemos os pedidos: hambúrguer de cordeiro com fritas e molho de hortelã (R$ 22) para mim e sanduíche de carne assada para ele (no pão árabe, com molho barbecue e fritas, a R$ 13,50). Para beber, caipivodca (R$ 12). - Gostou, Dudu? - Adorei. Carne macia, molho encorpado. Mas a feira... - Chega! Acho essa feira um charme. Assim como o bar, cheio dessa figuraças que se materializam apenas em Copa. Só lamento a chuva, pois prefiro as mesas da calçada. E branché é francês. Em bom português, hype. - Na próxima, ficamos na calçada...
Montagus Sanduicheria